201604.27
0
0

Ensino de História e Poéticas (XXIII ANPUH-SP) coordenado pelo Prof. Dr. Marcos Silva

Marcos Silva irá ministrar, no XXIII Encontro Estadual da ANPUH-SP (já noticiado aqui n’O Olho), o Seminário Temático Ensino de História e Poéticas: baseado em fatos irreais ma non tropo:


O presente Simpósio reúne trabalhos que demonstram como, no Ensino ou na Pesquisa de História, podemos nos basear na realidade dos fatos irreais ma non troppo gerados por diferentes Poéticas para uma compreensão ampliada de tantas outras realidades – da política, da economia, das relações sociais. Inclusive porque, a seu modo, as Poéticas também são política, economia e relações sociais.


Pretende-se discutir a ocorrência (História) de possíveis (Poéticas) no Ensino e na Pesquisa. Historiadores e profissionais de áreas afins analisam voos da imaginação em Literatura, Cinema, Quadrinhos, Música, Teatro e outras linguagens artísticas, refletindo sobre suas dimensões de tempos sociais e suas presenças no campo do Conhecimento Histórico, quer no ensino de diferentes graus, quer na pesquisa acadêmica – atividades que podem e devem estar integradas sempre. A separação quase conflituosa entre História e Poética (de um lado, o ocorrido/particular; de outro, o possível/universal) foi anunciada já na Grécia clássica por Aristóteles:


“(…) não é ofício do poeta narrar o que aconteceu; é, sim, o de representar o que poderia acontecer, quer dizer: o que é possível segundo a verossimilhança e a necessidade. Com efeito, não diferem o historiador e o poeta por escreverem verso ou prosa (pois que bem poderiam ser postos em verso as obras de Heródoto, e nem por isso deixariam de ser história, se fossem em verso o que eram em prosa) – diferem, sim, em que diz um as coisas que sucederam, e o outro as que poderiam suceder. Por isso a poesia é algo de mais filosófico e mais sério do que a história, pois refere aquela principalmente o universal, e esta o particular.” 

(ARISTÓTELES, p 249)


Acompanhe a programação no site do evento!