201711.24
0
0

Novo livro de João Carlos Salles, “A cláusula zero do conhecimento”

A pretensão do livro A cláusula zero do conhecimento: estudos sobre Wittgenstein e Ernest Sosa de João Carlos Salles (Quarteto Editora, 2017) é oferecer uma reflexão de sabor wittgensteiniano a dois grandes programas de investigação da história da filosofia: o decorrente do problema de Molyneux e o da análise do conhecimento proposta por Gettier. Porém,…

201711.16
0
0

“Perspectivas sobre o espaço urbano: o imaginário, o concreto e seus saberes”, organizado por José Francisco Serafim e Sergio Ricardo Lima de Santana

O livro Perspectivas sobre o espaço urbano: o imaginário, o concreto e seus saberes, organizado por José Francisco Serafim e Sergio Ricardo Lima de Santana (EDUFBA, 2017) é uma coletânea multidisciplinar que aborda o espaço urbano através de variadas formas artísticas, tratando a cidade como muito mais que uma mera aglomeração de pessoas, ruas e…

201711.04
0
0

“El cine y otras miradas: contribuciones a la educación y a la cultura audiovisual”, livro de Víctor Manuel Amar Rodríguez

Cinematografia e Educação são os dois pólos em que se desloca o livro El cine y otras miradas: contribuciones a la educación y a la cultura audiovisual (Comunicación Social, 2009) de Víctor Manuel Amar Rodríguez. O livro sintetiza duas questões importantes: as diferentes contribuições da educação e da cinematografia aos estudos fílmicos e os avanços…

201708.28
0
0

A sombra de outubro. A Revolução Russa e o espectro dos soviets (Lux Editeur), de Christian Laval e Pierre Dardot

O mito bolchevique está exausto. Somente regimes sinistros e algumas seitas, agarrados a emblemas, rituais e fórmulas secas, continuam hoje tornando-os uma referência de identidade. Por que, então, ainda recuperar esse tema? A repressão desta história poderia nos cegar sobre a persistência de práticas herdadas diretamente do bolchevismo: o verticalismo aberto ou oculto em benefício…

201708.27
0
0

“Transformismo da esquerda” (Editora Prismas), novo livro de Eliziário Andrade

Já faz algumas décadas que as metamorfoses das esquerdas levam-nas, cada vez mais para a “linha de menor resistência”, conforme a proposição de István Mészáros, aceitando atuar no terreno onde o inimigo é mais forte. Ao invés de travar as batalhas centralmente no mundo concreto das lutas e conflagrações sociais, nas arenas extraparlamentares, elas se…

201708.27
0
0

“Cine y cambio social: Imágenes sociopolíticas de la Argentina (2002-2012)” (Universidad Nacional de La Matanza. CLACSO, 2017), organização de Adriana Callegaro. Andrés Di Leo Razuk e Esteban Mizrahi

El cine pone en escena un modo de pensar lo real. A través de sus relatos se presenta como una institución responsable de instaurar y hacer circular muchas de las representaciones entre las que habitamos y con las que comprendemos el mundo. Los artículos que componen este libro son el resultado de dos investigaciones llevadas…

201708.27
0
0

Teoria crítica da crise. Alterrofobia, superfluência e abstração: uma sociedade de dominações (Le bord de l´eau) (Volume IV)

O quarto volume da série “Teoria crítica da crise” é dedicado à análise da realidade crepuscular que se encarna violentamente no destino reservado à massa cada vez maior das vidas indesejáveis e supérfluas que o capitalismo gera. Forçadamente exilados, desempregados ou inseguros, a lista dos dominados e excluídos continua a crescer à medida que o…

201708.27
0
0

“L’homme superflu” (O homem superfluo) (Le passager clandestin), de Patrick Vassort

Longe do fim da história anunciada por alguns, a modernidade agora assume de todos os lados a humanidade do homem. O reinado da competição generalizada sujeita a experiência vivida de indivíduos e grupos humanos do planeta à convulsões perpétuas. A ideologia capitalista molda as consciências e predispõe as massas – assalariados e consumidores – a…

201708.27
0
0

“Cidadania coletiva” (Juruá Editora), de Homero Chiaraba Gouveia

A presente obra, de caráter teórico-exploratório, visa interpretar criticamente o conceito de cidadania, a partir da cidadania coletiva. Para tanto, parte-se da política da igual dignidade, cujo fundamento é uma igualdade hipotética e transcendental entre os indivíduos, para a política da diferença, que se baseia na ideia de que os humanos são igualmente dignos de…